Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Fónix Lab

Laboratório para exprimir (opiniões) admiração, indignação ou impaciência, em torno de temas atuais.

Fónix Lab

Laboratório para exprimir (opiniões) admiração, indignação ou impaciência, em torno de temas atuais.

Os Aniversariantes

(In)discretos? Qual é o seu caso?

20
Ago19

aniversario.jpg

O Facebook teima em anunciar-nos as datas de aniversário de todo um povo que habita a nossa Rede, com alguns requintes de malvadez, como quando nos pede que ajudemos uma qualquer organização benemérita, como forma de presentear o amigo, que, na maior parte dos casos, nem sequer conhecemos.

E, para espanto dos mais incrédulos, a taxa de utilizadores destas novas formas de marketing direto, é cada vez maior, fruto  da dependência crescente que cria junto dos Facebookianos. Esta situação, para deleite dos "donos" do Facebook,  aumenta de forma exponencial o seu volume de negócios. E lá vamos vendo o número de donativos aumentar e os agradecimentos do aniversariante que, perante tão nobre missão, se vê obrigado a passar o seu dia de anos agarrado à Rede, para agradecer, em tempo real, cada euro obtido, gabando-se da tão grande notoriedade junto dos seus seguidores.

É indiscreto ou discreto, caro leitor?

Do outro lado desta realidade, encontramos os verdadeiramente discretos, isto é, aqueles que vivem em sobressalto, com receio que algum amigo, ou, por magia, o próprio Facebook, divulgue tão bem guardado segredo. 

PS. Quando toca aos aniversariantes, não há (in)correto, apenas formas de ser e viver na Rede com (in)discrição. Parabéns a todos os aniversariantes!

 

 

by influenciadores | work in progress

Os Amantes

Hoje estavas deslumbrante, Mulher!

17
Ago19

amantes.JPG

Chego ao ponto de encontro, o hotel habitual. Sorriso estampado no meu rosto... já não nos vemos há 15 dias. Saudades, misturadas com desejo. Vontade do toque da pele, do beijo quente que tudo inicia.

Vejo-a e sorrio. Estou cansado, acabei de estar com a Madalena. Hoje, estava cega de paixão. Vou convidar a Maria para um copo no bar do hotel e assim ganho algum fôlego. Será que não estranha? Mas preciso de algum tempo para me recompor.

Beija-me e, estranhamente, convida-me para irmos beber um copo. Fico surpreendida mas disfarço. Digo que sim, mas os pensamentos tomam conta de mim... o que terá para me contar?

Vejo-a, sinto-a apreensiva, o que lhe estará a passar pela cabeça? Possivelmente o facto de termos o tempo contado. Enlaço-a ternamente e encaminho-a para o bar.

Caro Leitor, esta é uma história que lhe é, certamente, familiar, pois relata a vida paralela de muitas Marias e muitos Carlos deste mundo.

O gosto pela conquista já o levou à intimidade com muitas mulheres. Maria deixou-se seduzir pelos avanços, primeiro tímidos, depois picantes, de Carlos que conheceu no Facebook. Em casa, ambos têm à sua espera os respetivos cônjuges e os filhos.

Não querem pôr em perigo o lar, a família, mas o gosto pela conquista, a ilusão criada pelo prazer efémero de algumas horas, em que se entregam sem pensar em mais nada, domina-os por completo.

Por que é que isto acontece, amigo leitor?

Devido a casamentos que esmorecem, relações que se tornam ocas... ou por culpa de uma sociedade que nos vende "os amantes"? Nos sites de encontros, nos motéis de luxo, na vontade de reproduzir estereótipos, imitando a vida amorosa e fútil das celebridades.

Apesar de nos queixarmos, nunca tivemos tantos bens materiais, que acumulamos, sem necessidade, tentando preencher uma insatisfação que teima em não desaparecer. 

O que nos falta, amável leitor?

A insatisfação leva-nos a procurar... não sabemos bem o quê, de forma incessante. Por isso, inúmeras vezes, fixamo-nos no outro, porque isso nos apimenta a vida. 

O processo de sedução banalizou-se com o boom das comunicações móveis e o advento das mensagens virtuais. Diz-se, por escrito, o que nunca teríamos coragem para dizer olhos nos olhos. Flirta-se por sms, com emojis, trocam-se fotografias... é o sexting que se massifica, fruto do impacto das redes sociais.

Certamente, o amigo leitor está a sorrir, pois é uma prática que, pense bem, não lhe é desconhecida.

Estas vidas paralelas, pelo perigo de que se revestem, dão sentido à vida, pelo prazer, pelo risco, pelo desejo, na busca incessante daquilo que nos falta, que não é nada! Por isso também nos tiram sentido à vida.

Paradoxal, sim, caro leitor.

PS. Maria e Carlos subiram ao quarto do hotel. Ambos sabiam que era a última vez. Na lista têm já outros prováveis Amantes. Ambos o sabem. Reinicia-se o ciclo.

 

***

by influenciadores | work in progress