Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Fónix Lab

Laboratório para exprimir (opiniões) admiração, indignação ou impaciência, em torno de temas atuais.

Fónix Lab

Laboratório para exprimir (opiniões) admiração, indignação ou impaciência, em torno de temas atuais.

Estaremos prisioneiros dos algoritmos ou das notícias falsas?

Velhas crenças servem a desinformação

08
Ago20

A Web é um mundo sem fim.

De férias, a fazer o que fazemos todos os dias, deparámo-nos com uma entrevista a Roger Chartier, um dos mais conceituados historiadores franceses, especialista na história do livro.

Apaixonados por este tema, a leitura do artigo depressa suscitou uma animada discussão no grupo de amigos. Acabámos a questionar algumas das afirmações que faz.

freestocks-YTUZcmmf1eU-unsplash.jpg

 

Afirma Roger Chartier:

1. A pandemia exacerbou novas práticas de leitura impostas por algoritmos que aceitamos sem questionar. 

Independentemente do digital ou não, hoje, como ontem, a boa prática é, foi sempre, o questionar. Por causa de uma pandemia ou não, o algoritmo está aí e vai-nos acompanhar ao longo da vida. Temos que o saber para compreendermos os critérios de publicação e para nos sabermos defender. A escola  tem aqui um papel importante a desempenhar.

Sem dramas. O mundo, a tecnologia, o homem, a vida mudam. O homem adapta-se e aprende. 

Que pensa o caro leitor?

 

2. As redes sociais dão uma força inédita aos riscos que ameaçam a verdade e a democracia.

É verdade. As redes sociais põem em pé de igualdade (relativamente) o especialista e o homem comum. Mas não é também verdade que assistimos ao fim das elites e que a própria ciência muda a uma velocidade nunca vista? Atente-se no caso do uso ou não da máscara durante a pandemia e na multiplicidade de afirmações dos especialistas.

Não estarão aqueles com mais acesso aos órgãos de informação, mais ao serviço da política do que da ciência?

O que é preciso, caro leitor, é que pensemos, ouçamos os outros, com civilidade e sejamos cidadãos críticos para sermos esclarecidos.

 As redes sociais podem dar, e se calhar dão, uma força inédita ao erro, ao engano, à ignorância, contudo, quando bem usadas, educam, formam como suporte nenhum criado pelo homem, até hoje, foi capaz de fazer.

 

3. É necessário redefinir a noção de cultura, sobretudo se tivermos em conta que as práticas cultuais dominantes dos jovens, entre os 15 e os 24 anos, passam pelo consumo diário de vídeos online.

O autor vai mais longe e pede um esforço coletivo, político e social, para salvaguardar o mundo que não queremos perder. 

Como se fosse possível suster a mudança, amigo leitor. Em tempo algum da história da humanidade isto se revelou possível, atrevemo-nos até a dizer, desejável.

 

4. Na lógica da cultura impressa, o leitor encontra o que não procura. Na lógica da cultura digital, manda o algoritmo, a leitura é acelerada, impaciente e fragmentada.

Será este o tópico de discussão mais adequado, amável leitor? Que lhe parece?

O que mudou foram os hábitos de leitura e os canais onde se lê. Lemos cada vez mais e de forma mais seletiva. Um romance em suporte papel ou digital lê-se da mesma forma, com a mesma intensidade. Um artigo científico lê-se da mesma maneira, ainda que o suporte digital permita fazer pesquisas e acrescentar significados de forma mais fácil e rápida.

 

PS. A capacidade de analisar, de ler de forma refletida o mundo é cada vez mais premente, devendo ser uma das grandes metas dos sistemas educativos, para que os jovens questionem o que leem, mesmo quando dito por personalidades de renome. 

Concorda, caro leitor?